O que esperar de 2020?

O que esperar de 2020? 

Eis a pergunta de um milhão de dólares: o que podemos esperar deste ano que acabou de começar? O objetivo deste artigo não é fazer projeções econômicas ou muito menos tentar prever o que está por vir por meio de “achismo”, até porque seria um exercício ilógico. Mas o foco é buscar de forma analítica e despida de qualquer interferência política (partidária), entender de onde saímos em 2019 e para onde vamos durante o decorrer deste ano de 2020. 

Partindo do fato que nossos clientes são de mercados totalmente distintos, conseguimos traçar alguns paralelos com base no que vivenciamos e que nos é apresentado no dia a dia. Lidamos o tempo todo com expectativas e frustrações dos empresários e empreendedores brasileiros. E não precisa ser nenhum especialista para saber que a produção industrial segue em lenta recuperação. Mesmo com uma taxa Selic inferior a 5%, a retomada da economia tem sido paulatina, contudo, consistente no pouco que reage.

No entanto, não se pode ignorar que o estoque de dívidas das famílias e empresas continua alto, apesar de ter diminuído na margem, o excesso de oferta criado durante a forte expansão de crédito demorará a ser absorvido. Um ponto importante para ser analisado neste contexto é o fato que o alto endividamento das famílias e empresas no mundo impede uma retomada consistente de atividade econômica. Bancos centrais foram obrigados a reformular o desenho das intervenções no mercado, ninguém está livre de ter que se reinventar.

Outro tema que com certeza estará em todos os textos que se referem ao que esperar de 2020 é o cenário mundial e a guerra comercial entre EUA e China que deve abrandar por conta das eleições americanas em 2020. Trump não vai criar instabilidade econômica no momento de sua corrida presidencial e os chineses também tem interesse de resolver o assunto, por ora.

Alguns números importantes e que nos ajudará a entender o que nos espera está na expansão do PIB e da renda dos brasileiros que fará do país o 10º maior mercado consumidor do mundo em 2020 (empresários, atenção a essa informação!). Do grupo de países conhecido como Bric (Brasil, Rússia, Índia e China), apenas a China estará à frente do Brasil.

Mas o cenário do país não é composto apenas por projeções positivas. Ao lado de números otimistas, o país continuará convivendo com problemas como a elevada carga tributária, e o desafio de enxugar o tamanho da máquina pública que é um problema recorrente e não de 2020.

 

Como já sabemos, 2015 e 2016 foram marcados por uma recessão histórica, com 3,5% de queda por dois anos consecutivos, segundo o relatório Crescimento da Economia Brasileira 2018-1023 do BNDES.

Em 2017, a economia conseguiu interromper a retração, elevando o PIB em 1% e recolocando o país nos trilhos do crescimento, mantendo quase o mesmo nível em 2018 (1,1%). Agora, a promessa da retomada ficou para 2020, com uma previsão de 2,32% de crescimento, segundo o Boletim Macro – Fiscal da SPE, publicado em novembro de 2019 pela Secretaria de Política Econômica do Ministério da Economia.

O que é importante focarmos de agora em diante são nos sinais de recuperação que são claros: juros mais baixos da história, diminuição continuada do risco país, queda da inflação, expansão do crédito e retorno da confiança do empresário. Sem deixar de lado o bom e necessário bom senso, é preciso manter os pés no chão: a retomada será lenta e gradual, e não podemos esperar grandes “saltos” nos indicadores.

Além disso, como mencionado acima existem ainda fatores externos e globais que podem e devem interferir não apenas no Brasil, mas no mundo. As incertezas econômicas e geopolíticas (vide o impacto do Brexit e a guerra comercial dos EUA e China, por exemplo) ainda serão sentidas e absorvidas pelo nosso mercado, de uma forma ou outra. 

Por ora, os empreendedores podem encarar 2020 como uma oportunidade para pegar carona na próxima escalada do crescimento, aproveitando o impulso de um cenário mais favorável do que o que vivemos no ano que se passou. Este fator por si só já é o bastante para comemorarmos e intensificarmos o trabalho em nossas empresas. 

 

BENITO PEDRO VIEIRA SANTOS

Especialista em Reestruturação de Empresas