Inovação é o combustível para seu Negócio

Nem toda empresa nasce igual. Isso porque tudo depende de quais são os planos que o empresário/empreendedor tem em mente desde a ideação. Mas independente do seu modelo de negócio ou produto/serviço que oferece, uma coisa é certa: a INOVAÇÃO é a solução mais buscada pelas empresas que pretendem permanecer e se diferenciar no mercado, seja desenvolvendo um produto inédito ou criando uma forma de fazer mais e melhor do que os concorrentes.

Considerando o atual mercado em que a palavra não sai dos holofotes, o que isso significa para a sua companhia? É preciso ter uma ideia genial ou revolucionária a cada semana? Calma, não é bem assim. Inovar, antes de tudo, quer dizer que você precisa INVESTIR um pouco do seu tempo para pensar seu negócio e identificar novas ideias, estratégias ou processos que agreguem valor ao seu produto/serviço e por consequência para sua Empresa.

Qual a periodicidade de reuniões que tratam exclusivamente do futuro do NEGÓCIO, de uma estratégia de INOVAÇÃO e não pura e simplesmente de um problema? Na correria do dia-a-dia, é muito raro o empresário/empreendedor ou gestor investir tempo para pensar. Em determinados momentos é necessário não apenas “pensar fora da caixa”, mas também enxergar além dela.

No mercado em que estamos inseridos o termo “INOVAÇÃO” significa mudança de comportamento de produtores e consumidores. É a exploração com sucesso de novas ideias, no mundo empresarial pode significar aumento de faturamento, acesso a novos mercados e o mais importante aumento da lucratividade. A constante busca por tecnologia e inovação é de fácil explicação, afinal, são responsáveis pelo fator de sucesso para o negócio, independente do ramo de atividade.

Uma empresa não garante sucesso apenas com produtos em evidência, deve estar atenta às tendências do mercado, às exigências dos clientes, à concorrência e às necessidades do público que deseja atingir. O melhor termômetro para indicar quando mudar é a demanda do mercado, devemos estar atentos para não perder o “TIME” e ser engolido pelos concorrentes, nossos clientes são nosso maior “patrimônio”.

Algumas diferenças entre tradicional e inovador:

  •         Tradicional se preocupam em extrair conhecimento;
  •         Inovador se preocupam em compartilhar conhecimento;
  •         Tradicional buscam o melhor resultado X menor custo;
  •         Inovador buscam relacionamento com cliente e investimento em parcerias;
  •         Tradicional tem como objetivo central o lucro;
  •         Inovadora tem o lucro como consequência do trabalho desenvolvido.

 

Em qual modelo sua empresa está inserida?

 

O objetivo deste artigo é mostrar que não se trata de uma opção, mas de uma necessidade, independente do tamanho do seu negócio ou setor que atua, quem não acompanhar a evolução e seus desdobramentos não terá certamente um futuro promissor, trata-se de um fato e não de uma projeção. Neste contexto e proposta para reflexão, a gestão é a chave para definir o caminho e o equilíbrio do esforço para buscar as inovações. Por trás da cultura, há a palavra, Gestão.

Há áreas em que é difícil inovar, mas o esforço deve ser, sempre, agregar valor em busca da própria sobrevivência da empresa. Inovar, no fundo, é atender a uma necessidade do cliente. Há um cardápio inteiro de inovações para os mais variados clientes: atendentes que buscam um software novo para acelerar a resolução de demandas precisam tanto de produtos inovadores quanto empresários que nunca ficam no escritório e necessitam estar conectados o tempo todo em computadores portáteis.

Além disso, é necessário ampliar o conceito de inovação. Há quem ache que inovação é sempre ter o novo IPad, isto é, um novo produto que gere uma ruptura de mercado, quando na verdade a inovação é a busca contínua por melhorias – seja a melhor alocação de recursos ou mais eficiência de produção. Entender o seu tipo de organização e o que faz ela ser diferente das outras permite direcionar os investimentos. 

Portanto, não se trata de investir pesado em tecnologia de ponta ou trocar todos os equipamentos por novos e modernos, muito se fala de metodologia e pouco de cultura, mas, se a cultura da empresa é não ouvir seus próprios funcionários, será difícil ela inovar tentando ouvir os clientes. 

Como começar? Pelo básico bem feito, veja algumas dicas do que pode implementar hoje mesmo em seu negócio:

  • Estimule seus colaboradores a pensarem fora da “caixa”, a pensarem diferente. Um ambiente criativo favorece a criatividade; 
  • Busque parceiros ideais, às vezes, alguém com uma visão externa pode contribuir com soluções novas; 
  • Desenvolva um ambiente de trabalho em que existe espaço para o colaborador ser ouvido e receber feedback sobre suas sugestões. Incentive sua equipe a conhecer seus processos e a sugerir melhorias. Reuniões de brainstorm podem ser muito produtivas;

 

  • Reinvente seu negócio, mude se necessário e não ligue jamais o piloto automático. Você precisa reavaliar constantemente se a proposta de valor que sua empresa oferece ainda é atrativa para os clientes;
  • Os tempos mudam, e também as necessidades dos clientes. Não fique preso a um produto ou serviço;
  • A inovação precisa ter uma aplicação na sua empresa, não basta desenvolver um novo processo. Assim que implantar, comece a medir os resultados, e compare com o desempenho anterior. Assim será possível mensurar o impacto da inovação;
  • Olhe para o mercado e seus clientes. Além de analisar a sua concorrência, pesquise constantemente como seu mercado está agindo e quais são as tendências. É preciso olhar pra frente e se antecipar como o seu cliente está se comportando; 
  • Desprenda-se do antigo. Se um processo não atende mais a sua necessidade, mude. Se um fornecedor antigo está limitando seu potencial de produção, pesquise alternativas;
  • A maneira como as empresas controlam suas finanças, seus processos, sua gestão está mudando. Fique atento aos avanços que a tecnologia pode trazer, pesquise soluções novas para velhos problemas. Tire o melhor proveito das tecnologias para facilitar sua rotina. Aposte em compartilhamento, mobilidade e integração.



BENITO PEDRO VIEIRA SANTOS

Especialista em Reestruturação de Empresas